Como Criar Riqueza

Artigo escrito por Paul Graham (original aqui), fundador da maior aceleradora de startups do mundo chamada Y Combinator. Traduzido por mim com autorização do autor.

Se você quisesse ficar rico, como faria isso? Eu acho que sua melhor aposta seria fundar ou entrar em uma startup. Essa tem sido uma maneira confiável de enriquecer por centenas de anos. A palavra “startup” data da década de 1960, mas o que acontece em uma delas é muito semelhante às viagens comerciais apoiadas por empreendimentos da Idade Média.

As startups geralmente envolvem tecnologia, tanto que a frase “startup de alta tecnologia” é quase redundante. Uma startup é uma pequena empresa que busca solucionar um problema técnico difícil.

Muitas pessoas ficam ricas sem saber nada além disso. Você não precisa conhecer a física para ser um bom arremessador. Mas acho que entender os princípios subjacentes poderia lhe dar uma vantagem. Por que as startups precisam ser pequenas? Uma startup inevitavelmente deixará de ser uma startup à medida que crescer? E por que elas costumam trabalhar no desenvolvimento de novas tecnologias? Por que existem tantas startups vendendo novos medicamentos ou software de computador e nenhuma vendendo óleo de milho ou detergente para a roupa?

A proposição

Economicamente, você pode pensar em uma startup como uma maneira de comprimir toda a sua vida profissional em alguns anos. Em vez de trabalhar em baixa intensidade por quarenta anos, você trabalha o máximo possível por quatro. Isso vale especialmente na tecnologia, onde você ganha um bonus por trabalhar rápido.

Aqui está um breve esboço da proposição econômica. Se você é um bom hacker, na casa dos vinte anos, pode conseguir um emprego pagando cerca de $80.000 por ano. Portanto, em média, esse hacker deve ser capaz de gerar pelo menos $80.000 em valor por ano para a empresa apenas para equilibrar a conta. Provavelmente, você poderia trabalhar duas vezes mais que um funcionário da empresa e, se você se concentrar, poderá render três vezes mais em uma hora. [1] Você deve obter outro múltiplo de dois, pelo menos, eliminando a dificuldade do gerente intermediário que seria seu chefe em uma grande empresa. Depois, há mais um múltiplo: quanto mais inteligente você é do que sua descrição de cargo espera que seja? Suponha outro múltiplo de três. Combine todos esses multiplicadores, e estou afirmando que você pode ser 36 vezes mais produtivo do que o esperado em um trabalho corporativo aleatório. [2] Se um hacker razoavelmente bom vale $80.000 por ano em uma grande empresa, um hacker inteligente que trabalha muito, sem nenhuma politicagem corporativa para desacelerá-lo, deve ser capaz de fazer um trabalho que vale cerca de $3 milhões por ano.

Como todos os cálculos de guardanapo, este tem muitas falhas. Eu não tentaria defender esses números. Mas eu mantenho a estrutura do cálculo. Não estou afirmando que o multiplicador seja precisamente 36, mas certamente é mais do que 10, e provavelmente raramente chega a 100.

Se $3 milhões por ano parecer alto, lembre-se de que estamos falando do caso extremo: o caso em que você não apenas tem zero tempo de lazer, mas realmente trabalha tanto que chega a comprometer sua saúde.

Startups não são mágicas. Eles não mudam as leis da criação de riqueza. Eles apenas representam um ponto no final da curva. Existe uma lei de conservação em funcionamento aqui: se você quer ganhar um milhão de dólares, precisa suportar um milhão de dólares de dor. Por exemplo, uma maneira de ganhar um milhão de dólares seria trabalhar para os Correios a vida toda e economizar cada centavo do seu salário. Imagine o estresse de trabalhar para os Correios por cinquenta anos. Em uma startup, você comprime todo esse estresse em três ou quatro anos. Você tende a obter um determinado desconto de atacado se comprar toda a dor de uma vez, mas não pode fugir à lei fundamental de conservação. Se iniciar uma startup fosse fácil, todo mundo faria isso.

Milhões, não bilhões

Se $3 milhões por ano parecer alto para algumas pessoas, parecerá baixo para outras. Três milhões? Como ficar bilionário, como Bill Gates?

Então, vamos tirar Bill Gates do caminho agora. Não é uma boa ideia usar pessoas famosas e ricas como exemplos, porque a imprensa escreve apenas sobre os mais ricos, e esses tendem a ser exceções. Bill Gates é um homem inteligente, determinado e trabalhador, mas você precisa de mais do que isso para ganhar tanto dinheiro quanto ele. Você também precisa ter muita sorte.

Há um grande fator aleatório no sucesso de qualquer empresa. Então, os caras que você acaba lendo nos jornais são os mais inteligentes, totalmente dedicados e que ganham na loteria. Certamente Bill é inteligente e dedicado, mas a Microsoft também foi a beneficiária de um dos erros mais espetaculares da história dos negócios: o contrato de licenciamento para o DOS. Sem dúvida, Bill fez tudo o que pôde para ajudar a IBM a cometer esse erro, e ele fez um excelente trabalho em explorá-lo, mas se houvesse uma pessoa com um cérebro do lado da IBM, o futuro da Microsoft teria sido muito diferente. A Microsoft naquela fase tinha pouca influência sobre a IBM. Eles eram efetivamente um fornecedor de componentes. Se a IBM exigisse uma licença exclusiva, como deveria, a Microsoft ainda teria assinado o acordo. Ainda significaria muito dinheiro para eles, e a IBM poderia facilmente ter adquirido um sistema operacional em outro lugar.

Em vez disso, a IBM acabou usando todo o seu poder no mercado para dar à Microsoft o controle do PC. A partir desse ponto, tudo o que a Microsoft precisava fazer era executar. Eles nunca tiveram que apostar a empresa em uma decisão ousada. Tudo o que eles precisavam fazer era jogar duro com os licenciados e copiar produtos mais inovadores razoavelmente rápido.

Se a IBM não tivesse cometido esse erro, a Microsoft ainda seria uma empresa de sucesso, mas não poderia ter crescido tão grande tão rapidamente. Bill Gates seria rico, mas ele estaria em algum lugar perto do fundo da Forbes 400 com os outros caras da idade dele.

Há muitas maneiras de enriquecer, e este artigo é sobre apenas uma delas. Este artigo é sobre como ganhar dinheiro criando riqueza e sendo pago por isso. Existem muitas outras maneiras de obter dinheiro, incluindo sorte, especulação, casamento, herança, roubo, extorsão, fraude, monopólio, corrupção, lobbying, falsificação e prospecção. A maioria das maiores fortunas provavelmente envolveu várias delas.

A vantagem de criar riqueza, como forma de enriquecer, não é apenas ser uma forma mais legítima (muitos dos outros métodos agora são ilegais), mas também ser mais direta. Você apenas tem que fazer algo que as pessoas querem.

Dinheiro não é riqueza

Se você deseja criar riqueza, ajudará entender o que é. Riqueza não é a mesma coisa que dinheiro. [3] A riqueza é tão antiga quanto a história humana. Muito mais velha, de fato; formigas têm riqueza. O dinheiro é uma invenção relativamente recente.

Riqueza é a coisa fundamental. Riqueza é o que queremos: comida, roupas, casas, carros, acessórios, viajar para lugares interessantes e assim por diante. Você pode ter riqueza sem ter dinheiro. Se você tivesse uma máquina mágica que pudesse usar para fazer para você um carro ou preparar o jantar, lavar a roupa ou fazer o que quisesse, não precisaria de dinheiro. Por outro, se você estivesse no meio da Antártica, onde não há nada para comprar, não importaria quanto dinheiro você tivesse.

Riqueza é o que você quer, não dinheiro. Mas se a riqueza é importante, por que todo mundo fala sobre ganhar dinheiro? É uma espécie de abreviação: o dinheiro é uma maneira de movimentar riquezas e, na prática, os termos são geralmente intercambiáveis. Mas eles não são a mesma coisa e, a menos que você pretenda ficar rico falsificando, falar sobre ganhar dinheiro pode dificultar a compreensão de como ganhar dinheiro.

O dinheiro é um efeito colateral da especialização. Em uma sociedade especializada, a maioria das coisas que você precisa não pode fazer por si mesmo. Se você quer uma batata, um lápis ou um lugar para morar, precisa obtê-lo de outra pessoa.

Como você convence a pessoa que cultiva batatas a lhe dar um pouco? Ao dar-lhe algo que ele quer em troca. Mas você não pode ir muito longe trocando as coisas diretamente com as pessoas que precisam delas. Se você faz violinos e nenhum dos agricultores locais quer um, como vai comer?

A solução encontrada pelas sociedades, à medida que se tornam mais especializadas, é transformar o comércio em um processo de duas etapas. Em vez de trocar violinos diretamente por batatas, você troca violinos por, digamos, prata, que pode ser trocada novamente por qualquer outra coisa que você precise. O material intermediário – o meio de troca – pode ser qualquer coisa rara e portátil. Historicamente, os metais têm sido os mais comuns, mas recentemente usamos um meio de troca, chamado dólar, que não existe fisicamente. No entanto, funciona como um meio de troca, porque sua raridade é garantida pelo governo dos EUA.

A vantagem de um meio de troca é que ele faz o comércio funcionar. A desvantagem é que ela tende a obscurecer o que o comércio realmente significa. As pessoas pensam que o que uma empresa faz é ganhar dinheiro. Mas o dinheiro é apenas o estágio intermediário – apenas uma abreviação – para o que as pessoas quiserem. O que a maioria das empresas realmente faz é gerar riqueza. Eles fazem algo que as pessoas querem. [4]

A Falácia da Torta

Um número surpreendente de pessoas leva desde a infância a ideia de que existe uma quantidade fixa de riqueza no mundo. Em qualquer família normal, existe uma quantia fixa de dinheiro a qualquer momento. Mas isso não é a mesma coisa.

Quando se fala em riqueza neste contexto, ela é frequentemente descrita como uma torta. “Você não pode aumentar a torta”, dizem os políticos. Quando você está falando sobre a quantia em dinheiro na conta bancária de uma família ou a quantia disponível para o governo com a receita tributária de um ano, isso é verdade. Se uma pessoa recebe mais, outra pessoa precisa receber menos.

Lembro-me de acreditar, quando criança, que se algumas pessoas ricas tinham todo o dinheiro, isso deixava menos para todos os outros. Muitas pessoas parecem continuar acreditando em algo assim até a idade adulta. Essa falácia geralmente está presente quando você ouve alguém falando sobre como x por cento da população tem y por cento da riqueza. Se você planeja iniciar uma startup, percebendo ou não, está planejando refutar a falácia de torta.

O que leva as pessoas a se perderem aqui é a abstração do dinheiro. Dinheiro não é riqueza. É apenas algo que usamos para movimentar a riqueza. Portanto, embora possa haver, em certos momentos específicos (como sua família, este mês) uma quantia fixa de dinheiro disponível para negociar com outras pessoas pelo que você deseja, não existe uma quantia fixa de riqueza no mundo. Você pode fazer mais riqueza. A riqueza foi sendo criada e destruída (mas no geral, criada) por toda a história humana.

Suponha que você possua um carro velho surrado. Em vez de ficar de bobeira no próximo verão, você pode gastar seu tempo restaurando seu carro e deixa-lo em perfeitas condições. Ao fazer isso, você cria riqueza. O mundo e você ficaram mais ricos com isso. E não apenas de alguma maneira metafórica. Se você vender seu carro, terá mais dinheiro por isso.

Ao restaurar seu carro antigo, você se tornou mais rico. Você não tornou ninguém mais pobre. Portanto, obviamente não há uma torta fixa. E, de fato, quando você olha dessa maneira, se pergunta por que alguém pensaria que havia. [5]

As crianças sabem, sem saber que sabem, que podem criar riqueza. Se você precisa dar um presente a alguém e não tem dinheiro, você faz um. Mas as crianças são tão ruins em fazer coisas que consideram presentes feitos em casa inferiores aos comprados em lojas. E, de fato, os cinzeiros irregulares que fizemos para nossos pais não tinham muito mercado de revenda.

Artesãos

As pessoas com maior probabilidade de entender que a riqueza pode ser criada são as que são boas em fazer as coisas, os artesãos. Seus objetos feitos à mão se tornam objetos comprados em lojas. Mas com o aumento da industrialização, há cada vez menos artesãos. Um dos maiores grupos restantes são os programadores de computador.

Um programador pode se sentar na frente de um computador e criar riqueza. Um bom software é, por si só, uma coisa valiosa. Não há um processo de fabricação no meio para confundir o problema. Os caracteres digitados são um produto final completo. Se alguém se sentasse e escrevesse um navegador da Web que não fosse ruim (a propósito, uma ótima idéia), o mundo seria muito mais rico. [5b]

Todos em uma empresa trabalham juntos para criar riqueza, no sentido de fazer mais coisas que as pessoas querem. Muitos funcionários (por exemplo, as pessoas na sala de correspondência ou no departamento de RH) trabalham distantes do produto em si. Não os programadores. Eles literalmente pensam no produto, uma linha de cada vez. E, portanto, fica mais claro para os programadores que a riqueza é algo que é criada, em vez de ser distribuída, como fatias de uma torta, por algum Papai imaginário.

Também é óbvio para os programadores que existem grandes variações na taxa em que a riqueza é criada. Na Viaweb, tivemos um programador que era uma espécie de monstro da produtividade. Lembro-me de observar o que ele fez durante um longo dia e estimar que havia acrescentado várias centenas de milhares de dólares ao valor de mercado da empresa. Um super programador poderia criar um milhão de dólares em riqueza em algumas semanas. Um programador medíocre no mesmo período gerará riqueza zero ou mesmo negativa (por exemplo, introduzindo bugs).

É por isso que muitos dos melhores programadores são libertários. Em nosso mundo, você afunda ou nada, e não há desculpas. Quando aqueles que estão longe da criação de riqueza – estudantes de graduação, repórteres, políticos – ouvem que os 5% mais ricos da população têm metade da riqueza total, tendem a pensar “que injustiça!”. Um programador experiente teria mais chances de pensar “isso é tudo?”. O top 5% dos programadores provavelmente escreve 99% do software de qualidade.

A riqueza pode ser criada sem ser vendida. Os cientistas, até recentemente, pelo menos, efetivamente doaram a riqueza que criaram. Todos somos mais ricos em saber sobre a penicilina, porque somos menos propensos a morrer de infecções. Riqueza é o que as pessoas querem, e não morrer é certamente algo que queremos. Os programadores geralmente doam seu trabalho escrevendo software de código aberto que qualquer pessoa pode usar gratuitamente. Sou muito mais rico com o sistema operacional FreeBSD, que estou executando no computador que estou usando agora, e o Yahoo! também, que o executa em todos os seus servidores.

O que é um trabalho

Nos países industrializados, as pessoas pertencem a uma instituição ou outra pelo menos até os vinte anos. Depois de todos esses anos, você se acostuma à idéia de pertencer a um grupo de pessoas que acorda de manhã, vai a algum conjunto de edifícios e faz coisas que geralmente não gosta de fazer. Pertencer a esse grupo se torna parte de sua identidade: nome, idade, função, instituição. Se você tiver que se apresentar, ou alguém o descrever, será como John Smith, 10 anos, aluno de tal escola, ou John Smith, 20 anos, aluno de uma faculdade ou outra.

Quando John Smith terminar a escola, ele deverá conseguir um emprego. E o que significa conseguir um emprego é ingressar em outra instituição. Superficialmente, é muito parecido com a faculdade. Você escolhe as empresas para as quais deseja trabalhar e solicita a adesão. Se alguém gosta de você, você se torna um membro deste novo grupo. Você acorda de manhã, vai a um novo conjunto de edifícios e faz coisas que normalmente não gosta de fazer. Existem algumas diferenças: a vida não é tão divertida e você é pago, em vez de pagar, como na faculdade. Mas as semelhanças parecem maiores que as diferenças. John Smith agora é John Smith, 22 anos, desenvolvedor de software em tal empresa.

De fato, a vida de John Smith mudou mais do que ele imagina. Socialmente, uma empresa se parece muito com a faculdade, mas quanto mais fundo você entra na realidade subjacente, mais diferente ela fica.

O que uma empresa faz e precisa fazer se deseja continuar a existir é ganhar dinheiro. E a maneira como a maioria das empresas ganha dinheiro é criando riqueza. As empresas podem ser tão especializadas que essa semelhança é ocultada, mas não são apenas as empresas manufatureiras que criam riqueza. Um grande componente da riqueza é a localização das coisas. Lembra daquela máquina mágica que poderia fazer carros para você e preparar seu jantar e assim por diante? Não seria tão útil se o jantar fosse entregue em um local aleatório na Ásia Central. Se riqueza significa o que as pessoas querem, as empresas que movem as coisas também criam riqueza. O mesmo vale para muitos outros tipos de empresas que não fazem nada físico. Quase todas as empresas existem para fazer algo que as pessoas querem.

E é isso que você faz também quando vai trabalhar para uma empresa. Mas aqui há outra camada que tende a obscurecer a realidade subjacente. Em uma empresa, o trabalho que você realiza é medido em conjunto com muitas outras pessoas. Você pode nem estar ciente de que está fazendo algo que as pessoas querem. Sua contribuição pode ser indireta. Mas a empresa como um todo deve estar dando às pessoas o que elas querem, ou ela não ganharia dinheiro. E se eles estão te pagando x dólares por ano, em média, você deve estar contribuindo com pelo menos x dólares por ano em trabalho, ou a empresa estará gastando mais do que ganha e terá que fechar as portas em breve.

Alguém que se forma na faculdade pensa que precisa conseguir um emprego, como se o importante fosse se tornar membro de uma instituição. Uma maneira mais direta e melhor de dizer isso seria: você precisa começar a fazer algo que as pessoas queiram. E você não precisa ingressar em uma empresa para fazer isso. Tudo o que uma empresa é é um grupo de pessoas trabalhando juntas para fazer algo que as pessoas querem. É fazer algo que as pessoas querem que importa, não se juntar ao grupo. [6]

Para a maioria das pessoas, o melhor plano provavelmente é trabalhar para uma empresa existente. Mas é uma boa ideia entender o que está acontecendo quando você faz isso. Um trabalho significa fazer algo que as pessoas querem, entrando na média de todos os outros membros da empresa.

Trabalhando duro

A média é o problema. Penso que o maior problema que aflige as grandes empresas é a dificuldade de atribuir um valor ao trabalho de cada pessoa. Em uma grande empresa, você recebe um salário bastante previsível por trabalhar bastante. Espera-se que você não seja obviamente incompetente ou preguiçoso, mas você não precisa dedicar toda a sua vida ao seu trabalho.

Acontece, porém, que existem economias de escala em quanto da sua vida você dedica ao seu trabalho. No tipo certo de negócio, alguém que realmente se dedicasse ao trabalho poderia gerar dez ou até cem vezes mais riqueza do que um funcionário comum. Um programador, por exemplo, em vez de manter e atualizar um software existente, poderia escrever um software totalmente novo e, com ele, criar uma nova fonte de receita.

As empresas não são criadas para recompensar as pessoas que desejam fazer isso. Você não pode ir ao seu chefe e dizer: eu gostaria de começar a trabalhar dez vezes mais, então você pode me pagar dez vezes mais? Por um lado, a historinha oficial é que você já está trabalhando o máximo que pode. Mas um problema mais sério é que a empresa não tem como medir o valor do seu trabalho.

Os vendedores são uma exceção. É fácil medir quanta receita eles geram e geralmente recebem uma porcentagem. Se um vendedor quiser trabalhar mais, ele pode começar a fazê-lo e será automaticamente pago proporcionalmente mais.

Há um outro trabalho além das vendas, onde as grandes empresas podem contratar pessoas de primeira linha: nos cargos de alta gerência. E pela mesma razão: seu desempenho pode ser medido. Os gerentes são responsáveis ​​pelo desempenho de toda a empresa. Como o desempenho de um funcionário comum geralmente não pode ser medido, não se espera mais dele do que um esforço razoável. Por outro lado, o alto escalão, bem como os vendedores, precisam apresentar os números, preto no branco. O CEO de uma empresa que fracassa não pode alegar que ele fez um esforço razoável. Se a empresa vai mal, ele vai mal.

Uma empresa que pudesse pagar a todos os seus funcionários de maneira proporcional ao valor agregado de cada um teria um enorme sucesso. Muitos funcionários trabalhariam mais se pudessem ser pagos por isso. Mais importante, essa empresa atrairia pessoas que queriam trabalhar duro. Ela esmagaria seus concorrentes.

Infelizmente, as empresas não podem pagar a todos como vendedores. Os vendedores trabalham sozinhos. O trabalho da maioria dos funcionários é entrelaçado. Suponha que uma empresa faça algum tipo de gadget de consumido. Os engenheiros constroem um gadget confiável; os designers industriais projetam um belo estojo para ele; e então o pessoal de marketing convence a todos que é algo que eles precisam ter. Como você sabe quanto das vendas do gadget se deve aos esforços de cada grupo? Ou quanto se deve aos criadores de aparelhos antigos que deram à empresa uma reputação de qualidade? Não há como desembaraçar todas as suas contribuições. Mesmo se você pudesse ler a mente dos consumidores, descobriria que esses fatores estavam todos embaralhados.

Se você quer ir mais rápido, é um problema envolver seu trabalho com um grande número de outras pessoas. Em um grupo grande, seu desempenho não é mensurável separadamente – e o resto do grupo o torna mais lento.

Medição e Alavancagem

Para ficar rico, você precisa se envolver em uma situação com duas coisas: medição e alavancagem. Você precisa estar em uma posição em que seu desempenho possa ser medido, ou não há como receber mais, fazendo mais. E você precisa ter alavancagem, no sentido de que as decisões que você toma têm um grande efeito.

Medição por si só não é suficiente. Um exemplo de trabalho com medição, mas não com alavancagem, é trabalhar em uma linha de montagem onde você é remunerado por cada peça que montar. Seu desempenho é medido e você é pago em conformidade, mas você não tem margem para decisões. A única decisão que você toma é a rapidez com que trabalha, e isso provavelmente só pode aumentar seus ganhos por um fator de dois ou três.

Um exemplo de trabalho com medição e alavancagem seria ser ator principal em um filme. Seu desempenho pode ser medido no valor bruto do filme. E você tem alavancagem no sentido de que seu desempenho pode fazer de você uma estrela ou um fracasso.

Os CEOs também têm medição e alavancagem. Eles são medidos, na medida em que o desempenho da empresa é o desempenho deles. E eles têm influência em que suas decisões fazem com que toda a empresa se mova em uma direção ou outra.

Eu acho que todos que ficam ricos por seus próprios esforços estão em uma situação com medida e alavancagem. Todos que eu consigo pensar o fazem: CEOs, estrelas de cinema, gerentes de hedge funds, atletas profissionais. Uma boa dica para detectar a presença de alavancagem é a possibilidade de falhar. A vantagem deve ser equilibrada pela desvantagem; portanto, se houver um grande potencial de ganho, também deverá haver uma possibilidade aterradora de perda. CEOs, estrelas, gestores de fundos e atletas vivem com a espada pendurada sobre a cabeça; no momento em que começam a falhar, estão fora do jogo. Se você estiver em um emprego em que se sente seguro, não ficará rico, porque se não houver perigo, quase certamente não haverá alavancagem.

Mas você não precisa se tornar um CEO ou uma estrela de cinema para estar em uma situação com medição e alavancagem. Tudo o que você precisa fazer é fazer parte de um pequeno grupo trabalhando em um problema difícil.

Grupo pequeno = Medição

Se você não pode medir o valor do trabalho realizado por funcionários individuais, tente chegar pelo menos perto disso. Ou seja, tente medir o valor do trabalho realizado por pequenos grupos.

Um nível no qual você pode medir com precisão a receita gerada pelos funcionários seria o nível de toda a empresa. Quando a empresa é pequena, você está muito próximo de medir as contribuições de funcionários individuais. Uma startup pode ter apenas dez funcionários, o que coloca você em vantagem na medição do esforço individual.

Iniciar ou ingressar em uma startup é, portanto, o mais próximo que a maioria das pessoas pode chegar do exemplo de dizer ao seu chefe: eu quero trabalhar dez vezes mais, por isso me pague dez vezes mais. Existem duas diferenças: você não está dizendo isso ao seu chefe, mas diretamente aos clientes (para quem seu chefe é apenas um proxy, afinal), e você não está fazendo isso individualmente, mas junto com um pequeno grupo de outras pessoas. Pessoas ambiciosas.

Normalmente, será um grupo. Exceto em alguns tipos incomuns de trabalho, como atuar ou escrever livros, você não pode ser uma empresa de uma pessoa. E é melhor que as pessoas com quem você trabalha sejam boas, porque é o trabalho delas com o qual você calculará a média.

Uma grande empresa é como um barco a remo gigante com mil remadores. Duas coisas mantêm a velocidade do barco baixa. Uma é que os remadores individuais não vêem nenhum resultado ao trabalharem mais. A outra é que, em um grupo de mil pessoas, o remador médio provavelmente será bastante médio.

Se você pegasse dez pessoas aleatoriamente do barco e as colocasse em um kayak, elas provavelmente poderiam ir mais rápido. Eles teriam tanto a cenoura quanto o bastão para motivá-los. Um remador energético seria encorajado pelo pensamento de que ele poderia ter um efeito visível na velocidade do kayak. E se alguém fosse preguiçoso, os outros teriam mais chances de perceber e reclamar.

Mas a vantagem real do kayak de dez homens mostra quando você tira os dez melhores remadores do grande barco e os coloca juntos em um kayak. Eles terão toda a motivação extra resultante de pertencer a um pequeno grupo. Mas o mais importante é que, ao selecionar um grupo pequeno, você poderá obter os melhores remadores. Cada um estará no topo, no 1%. É muito melhor que eles calculem a média de seu trabalho em conjunto com um pequeno grupo de colegas bons do que com a média de todos.

Esse é o verdadeiro ponto das startups. Idealmente, você está se reunindo com um grupo de outras pessoas que também querem trabalhar muito mais e receber muito mais do que em uma grande empresa. E como as startups tendem a ser fundadas por grupos auto-selecionados de pessoas ambiciosas que já se conhecem (pelo menos por reputação), o nível de medição é mais preciso. Uma startup não é apenas dez pessoas, mas dez pessoas como você.

Steve Jobs disse uma vez que o sucesso ou o fracasso de uma startup depende dos dez primeiros funcionários. Concordo. E vou além, é mais como os cinco primeiros. Ser pequeno não é, por si só, o que faz as startups serem perigosas (no bom sentido), mas sim que pequenos grupos podem ser selecionados. Você não quer pequeno no sentido de uma vila, mas pequeno no sentido de um time de estrelas.

Quanto maior o grupo, mais próximo seu membro médio estará da média da população como um todo. Sendo todas as outras variáveis iguais, uma pessoa muito capaz em uma grande empresa provavelmente está fazendo um mau negócio, porque seu desempenho é prejudicado pelo desempenho geral mais baixo dos outros. Obviamente, todas as outras variáveis geralmente não são iguais: a pessoa capaz pode não se importar com dinheiro, ou pode preferir a estabilidade de uma grande empresa. Mas uma pessoa muito capaz, que se preocupa com dinheiro, normalmente se sai melhor e trabalha com um pequeno grupo de colegas.

Tecnologia = Alavancagem

As startups oferecem a qualquer pessoa uma maneira de estar em uma situação com medição e alavancagem. Eles permitem a medição porque são pequenos e oferecem alavancagem porque ganham dinheiro inventando novas tecnologias.

O que é tecnologia? É técnica. É a maneira como todos fazemos as coisas. E quando você descobre uma nova maneira de fazer as coisas, seu valor é multiplicado por todas as pessoas que a usam. É a vara de pesca proverbial, e não o peixe. Essa é a diferença entre uma startup e um restaurante ou uma barbearia. Você frita ovos ou corta cabelos, um cliente de cada vez. Considerando que, se você resolver um problema técnico com o qual muitas pessoas se preocupam, ajuda todos que usam sua solução. Isso é alavancagem.

Se você observar a história, parece que a maioria das pessoas que enriqueceram criando riqueza o fez desenvolvendo novas tecnologias. Você simplesmente não pode fritar ovos ou cortar cabelo rápido o suficiente. O que enriqueceu os florentinos em 1200 foi a descoberta de novas técnicas para fabricar o produto de alta tecnologia da época, o tecido fino. O que tornou os holandeses ricos em 1600 foi a descoberta de técnicas de construção naval e de navegação que lhes permitiram dominar os mares do Extremo Oriente.

Felizmente, existe um ajuste natural entre a pequeno tamanho e a solução de problemas difíceis. A vanguarda da tecnologia se move rapidamente. A tecnologia que é valiosa hoje pode ser inútil em alguns anos. As pequenas empresas estão mais à vontade neste mundo, porque não têm camadas de burocracia para retardá-las. Além disso, os avanços técnicos tendem a vir de abordagens pouco ortodoxas, e as pequenas empresas são menos limitadas pelas convenções.

Grandes empresas podem desenvolver tecnologia. Eles simplesmente não conseguem fazer isso rapidamente. Seu tamanho os torna lentos e os impede de recompensar os funcionários pelo extraordinário esforço necessário. Portanto, na prática, as grandes empresas só conseguem desenvolver tecnologia em campos onde grandes requisitos de capital impedem que as startups concorram com elas, como microprocessadores, usinas de energia ou aeronaves. E mesmo nesses campos, eles dependem muito de startups para componentes e idéias.

É óbvio que as startups de biotecnologia ou software existem para resolver problemas técnicos difíceis, mas acho que isso também será verdade em negócios que não parecem ser sobre tecnologia. O McDonald’s, por exemplo, cresceu muito projetando um sistema, a franquia McDonald’s, que poderia ser reproduzida à vontade em toda a face da Terra. Uma franquia do McDonald’s é controlada por regras tão precisas que é praticamente uma peça de software. Programe uma vez, rode por toda parte. O mesmo vale para o Wal-Mart. Sam Walton ficou rico não sendo um varejista, mas criando um novo tipo de loja.

Use a dificuldade como um guia, não apenas na seleção do objetivo geral da sua empresa, mas também nos pontos de decisão ao longo do caminho. Na Viaweb, uma de nossas regras de ouro era “pegue as escadas para cima”. Suponha que você seja um cara pequeno e ágil sendo perseguido por um valentão grande e gordo. Você abre uma porta e se encontra em uma escadaria. Você sobe ou desce? O valentão provavelmente pode descer as escadas tão rápido quanto você. Subir as escadas são outros quinhentos. Subir as escadas é difícil para você, mas ainda mais difícil para ele.

O que isso significava na prática era que buscávamos deliberadamente problemas difíceis. Se houvesse dois recursos que poderíamos adicionar ao nosso software, ambos igualmente valiosos em proporção à sua dificuldade, sempre faríamos o mais difícil. Não apenas porque era mais valioso, mas porque era mais difícil. Temos o prazer de forçar concorrentes maiores e mais lentos a nos seguir em terreno difícil. Como as guerrilhas, as startups preferem o difícil terreno das montanhas, onde as tropas do governo central não podem seguir. Lembro-me de momentos em que estávamos exaustos depois de lutar o dia todo com algum problema técnico horrível. E eu ficava encantado, porque algo difícil para nós seria impossível para nossos concorrentes.

Esta não é apenas uma boa maneira de executar uma startup. É o que é uma startup. Os investidores de risco sabem disso e têm uma frase para isso: barreiras de entrada. Se você for a um VC com uma nova idéia e pedir para ele investir nela, uma das primeiras coisas que ele perguntará é: quão difícil isso seria para outra pessoa desenvolver? Ou seja, quanto terreno você colocou entre você e os possíveis perseguidores? [7] E é melhor você ter uma explicação convincente de por que sua tecnologia seria difícil de duplicar. Caso contrário, assim que alguma grande empresa ficar ciente disso, ela fará a sua própria e, com a sua marca, capital e influência na distribuição, removerá seu mercado da noite para o dia. Você seria como guerrilheiros apanhados em campo aberto por forças regulares do exército.

Uma maneira de colocar barreiras à entrada é através de patentes. Mas as patentes podem não fornecer muita proteção. Os concorrentes geralmente encontram maneiras de contornar uma patente. E se não puderem, podem simplesmente violá-la e convidá-lo a processá-los. Uma grande empresa não tem medo de ser processada; é uma coisa cotidiana para eles. Eles garantirão que processá-los seja caro e demore muito tempo. Já ouviu falar de Philo Farnsworth? Ele inventou a televisão. A razão pela qual você nunca ouviu falar dele é que a empresa dele não foi a única a ganhar dinheiro com isso. [8] A empresa que fez foi a RCA, e a recompensa de Farnsworth por seus esforços foi uma década de litígios sobre patentes.

Aqui, como tantas vezes, a melhor defesa é um bom ataque. Se você pode desenvolver uma tecnologia que é muito difícil para os concorrentes duplicarem, não precisa confiar em outras defesas. Comece escolhendo um problema difícil e, em cada ponto de decisão, faça a escolha mais difícil. [9]

Pegadinha

Se fosse apenas uma questão de trabalhar mais do que um funcionário comum e ser pago proporcionalmente, obviamente seria um bom negócio iniciar uma startup. Até certo ponto, seria mais divertido. Não acho que muitas pessoas gostem do ritmo lento das grandes empresas, das reuniões intermináveis, das conversas de bebedouros, dos gerentes sem noção e assim por diante.

Infelizmente, existem algumas pegadinhas. Uma é que você não pode escolher o ponto da curva que deseja habitar. Você não pode decidir, por exemplo, que gostaria de trabalhar apenas duas ou três vezes mais e receber mais por isso, Na mesma proporção. Quando você está trabalhando em uma startup, seus concorrentes decidem o quanto você trabalha duro. E eles praticamente tomam sempre a mesma decisão: o mais duro possível.

O outro problema é que o retorno é proporcional apenas à sua produtividade. Há, como eu disse antes, um grande multiplicador aleatório no sucesso de qualquer empresa. Portanto, na prática, o negócio não é que você seja 30 vezes mais produtivo e seja pago 30 vezes mais. Você é 30 vezes mais produtivo e recebe entre zero e mil vezes mais. Se a média for 30x, a mediana provavelmente é zero. A maioria das startups falha, e não apenas os portais de alimentos para cães que todos ouvimos falar durante a bolha da Internet. É comum uma startup desenvolver um produto genuinamente bom, demorar um pouco demais para fazê-lo, ficar sem dinheiro e precisar fechar as portas.

Uma startup é como um mosquito. Um urso pode absorver um golpe e um caranguejo é blindado contra ele, mas um mosquito é projetado para uma coisa: picar. Nenhuma energia é desperdiçada na defesa. A defesa dos mosquitos, como espécie, é que existem muitos deles, mas isso é pouco consolo para o mosquito individual.

Startups, como mosquitos, tendem a ser um jogo de tudo ou nada. E você geralmente não sabe qual dos dois receberá até o último minuto. A Viaweb chegou perto de fechar as portas várias vezes. Nossa trajetória foi como uma onda senoidal. Felizmente, fomos comprados, mas foi muito perto. Enquanto visitávamos o Yahoo na Califórnia para conversar sobre a venda da empresa para eles, tivemos que pedir emprestada uma sala de conferências para tranquilizar um investidor que estava prestes a desistir de uma nova rodada de financiamento que precisávamos para sobreviver.

O aspecto tudo ou nada das startups não era algo que queríamos. Os programadores da Viaweb eram extremamente avessos ao risco. Se houvesse alguma maneira de trabalhar muito e ser pago por isso, sem ter uma loteria misturada, teríamos ficado mais felizes e tranquilos. Teríamos preferido uma chance de 100% de $1 milhão a uma chance de 20% de $10 milhões, embora teoricamente o segundo valha o dobro. Infelizmente, atualmente não há espaço no mundo dos negócios em que você possa obter o primeiro acordo.

O mais próximo que você pode fazer para reduzir a volatilidade é vender sua startup nos estágios iniciais, desistindo do alto potencial de ganho (e do risco) por uma recompensa menor, mas garantida. Tivemos a chance de fazer isso e, estupidamente, como pensávamos, deixamos escapar. Depois disso, ficamos comicamente ansiosos para vender. Durante o próximo ano, se alguém expressasse a menor curiosidade sobre a Viaweb, tentaríamos vender a empresa. Mas como não havia compradores, tivemos que continuar.

Teria sido uma pechincha nos comprar no início, mas as empresas que fazem aquisições não procuram pechinchas. Uma empresa grande o suficiente para adquirir startups será grande o suficiente para ser bastante conservadora e, dentro da empresa, os responsáveis ​​pelas aquisições estarão entre os mais conservadores, porque provavelmente serão MBAs que ingressaram na empresa tarde. Eles preferem pagar a mais por uma escolha segura. Portanto, é mais fácil vender uma startup estabelecida, mesmo com um grande prêmio no valor, do que uma em fase inicial.

Obtenha usuários

Eu acho que é uma boa ideia vender sua startup, se você puder. Administrar um negócio é diferente de crescer um. Também é bom deixar uma grande empresa assumir o controle assim que atingir a altitude de cruzeiro. Também é financeiramente mais sábio, porque a venda permite diversificar. O que você acha de um consultor financeiro que coloca todos os ativos de seu cliente em uma ação volátil?

Como sua startup é comprada? Principalmente, fazendo as mesmas coisas que você faria se não pretendesse vender a empresa. Sendo rentável, por exemplo. Mas ser comprado também é uma arte por si só, e uma que passamos muito tempo tentando dominar.

Os potenciais compradores sempre adiarão, se puderem. A parte difícil de ser comprado é fazê-los agir. Para a maioria das pessoas, o motivador mais poderoso não é a esperança de ganho, mas o medo da perda. Para potenciais compradores, o motivador mais poderoso é a perspectiva de que um de seus concorrentes o compre. Como descobrimos, isso faz com que os CEOs fiquem com os olhos vermelhos. A segunda maior é a preocupação de que, se eles não comprarem você agora, você continuará crescendo rapidamente e custará mais para adquirir mais tarde ou até se tornará um concorrente.

Nos dois casos, tudo se resume a usuários. Você pensaria que uma empresa prestes a comprá-lo faria muitas pesquisas e decidiria por si própria o quanto sua tecnologia é valiosa. De modo nenhum. O que eles pesam é o número de usuários que você possui.

Na prática, os adquirentes assumem que os clientes sabem quem possui a melhor tecnologia. E isso não é tão estúpido quanto parece. Os usuários são a única prova real de que você criou riqueza. Riqueza é o que as pessoas querem, e se as pessoas não estão usando seu software, talvez não seja apenas porque você é ruim em marketing. Talvez seja porque você não fez o que eles querem.

Os investidores de risco (VCs) têm uma lista de sinais de perigo a serem observados. Perto do topo está a empresa dirigida por tecnólogos, que são obcecados em resolver problemas técnicos interessantes, em vez de fazer os usuários felizes. Em uma startup, você não está apenas tentando resolver problemas. Você está tentando resolver problemas dos quais os usuários se importam a respeito.

Ou seja, você deve estar preocupado com a aquisição de usuários, assim como os potenciais compradores da sua empresa estarão. Trate uma startup como um problema de otimização no qual o desempenho é medido pelo número de usuários. Como qualquer pessoa que tentou otimizar software sabe, a chave é a medição. Quando você tenta adivinhar onde seu programa é lento e o que o tornaria mais rápido, você quase sempre erra.

O número de usuários pode não ser o teste perfeito, mas será muito próximo disso. É com isso que os compradores se preocupam. É disso que as receitas dependem. É o que deixa os concorrentes infelizes. É o que impressiona os repórteres e os novos usuários em potencial. Certamente, é um teste melhor do que suas noções a priori de quais problemas são importantes para resolver, não importa o quão tecnicamente bom você seja.

Entre outras coisas, tratar uma startup como um problema de otimização ajudará a evitar outra armadilha com a qual os VCs se preocupam e com razão – demorar muito tempo para desenvolver um produto. Agora podemos reconhecer isso como algo que os programadores já sabem evitar: otimização prematura. Desenvolva e lance no mercado a versão 1.0 o mais rápido possível. Até que você tenha alguns usuários para medir, você está otimizando com base em suposições.

A questão que você precisa ficar de olho aqui é o princípio subjacente de que riqueza é o que as pessoas querem. Se você planeja ficar rico criando riqueza, precisa saber o que as pessoas querem. Poucas empresas realmente prestam atenção em fazer os clientes felizes. Com que frequência você entra em uma loja ou liga para um call center, com um sentimento de pavor no fundo do coração? Quando você ouvir “sua ligação é importante para nós, por favor, fique na linha”, você conclui que tudo ficará bem?

Um restaurante pode se dar ao luxo de servir um jantar queimado de vez em quando. Mas na tecnologia, você cozinha uma coisa e é isso que todo mundo come. Portanto, qualquer diferença entre o que as pessoas querem e o que você entrega é multiplicada. Você agrada ou incomoda os clientes por atacado. Quanto mais perto você chegar do que eles querem, mais riqueza você gera.

Riqueza e poder

Criar riqueza não é a única maneira de enriquecer. Durante a maior parte da história humana, nem mesmo foi a mais comum. Até alguns séculos atrás, as principais fontes de riqueza eram minas, escravos e servos, terras e gado, e as únicas maneiras de adquiri-las rapidamente eram por herança, casamento, conquista na base da força ou confisco. Naturalmente, a riqueza tinha uma má reputação.

Duas coisas mudaram. O primeiro foi o estado de direito. Na maior parte da história do mundo, se você acumulasse uma fortuna de alguma forma, o governante ou seus capangas encontrariam uma maneira de roubá-la. Mas na Europa medieval algo novo aconteceu. Uma nova classe de comerciantes e fabricantes começou a se reunir nas cidades. Juntos, eles foram capazes de peitar o senhor feudal local. Então, pela primeira vez em nossa história, os valentões pararam de roubar o dinheiro do almoço dos nerds. Naturalmente, esse foi um grande incentivo, e possivelmente a principal causa da segunda grande mudança, a industrialização.

Muito foi escrito sobre as causas da Revolução Industrial. Mas certamente uma condição necessária, se não suficiente, era que as pessoas que fizessem fortunas pudessem apreciá-las em paz. [11] Uma evidência é o que aconteceu com países que tentaram retornar ao modelo antigo, como a União Soviética, e em menor grau à Grã-Bretanha sob os governos trabalhistas da década de 1960 e início da década de 1970. Afaste o incentivo da riqueza e a inovação técnica morre.

Lembre-se do que é uma startup, economicamente: uma maneira de dizer, quero trabalhar mais e mais rápido. Em vez de acumular dinheiro lentamente, recebendo um salário normal por cinquenta anos, quero acabar com isso o mais rápido possível. Portanto, os governos que proíbem você de acumular riqueza estão decretando que você trabalhe devagar. Eles estão dispostos a permitir que você ganhe $3 milhões em cinquenta anos, mas não estão dispostos a permitir que você trabalhe tão duro a ponto de ganhar isso em dois. Eles são como o chefe da empresa onde você não pode dizer “eu quero trabalhar dez vezes mais, então por favor me pague dez vezes mais”. Exceto que este não é um chefe do qual você pode escapar ao iniciar sua própria empresa.

O problema de trabalhar devagar não é apenas que assim a inovação técnica acontece devagar. É que nesse caso talvez você não alcance inovação nenhuma. Somente quando você procura deliberadamente problemas difíceis, e trabalha rápido e duro neles, é que você consegue alcançar isso. Desenvolver novas tecnologias é um pé no saco. É, como Edison disse, um por cento de inspiração e noventa e nove por cento de transpiração. Sem o incentivo da riqueza, ninguém quer fazê-lo. Os engenheiros trabalharão em projetos mais emocionantes, como aviões de combate e foguetes lunares, por salários comuns. Tecnologias mais comuns, como lâmpadas ou semicondutores, devem ser desenvolvidas pelos empreendedores.

As startups não são apenas algo que aconteceu no Vale do Silício nas últimas duas décadas. Desde que se tornou possível enriquecer criando riqueza, todos que o fizeram usaram essencialmente a mesma receita: medição e alavancagem, onde a medição vem do trabalho com um pequeno grupo e alavancagem do desenvolvimento de novas técnicas. A receita foi a mesma em Florença em 1200 e hoje em Santa Clara.

Compreender isso pode ajudar a responder a uma pergunta importante: por que a Europa ficou tão poderosa. Era algo sobre a geografia da Europa? Será que os europeus são de alguma forma racialmente superiores? Era a religião deles? A resposta (ou pelo menos a causa próxima) pode ser que os europeus montaram o cume de uma nova e poderosa idéia: permitir que aqueles que ganhassem muito dinheiro o mantivessem.

Uma vez que você cria esse contexto, as pessoas que querem ficar ricas podem fazer isso gerando riqueza em vez de roubando. O crescimento tecnológico resultante se traduz não apenas em riqueza, mas em poder militar. A teoria que levou ao avião invisível a radares foi desenvolvida por um matemático soviético. Mas porque a União Soviética não tinha uma indústria de computadores, permaneceu para eles uma teoria; eles não tinham hardware capaz de executar os cálculos com rapidez suficiente para projetar um avião real.

A Guerra Fria ensina a mesma lição que a Segunda Guerra Mundial e, nesse caso, a maioria das guerras da história recente. Não deixe que uma classe dominante de guerreiros e políticos esmague os empreendedores. A mesma receita que enriquece os indivíduos torna os países poderosos. Deixe os nerds ficarem com o dinheiro do almoço e você governará o mundo.

Notas

[1] Uma coisa valiosa que você costuma ter apenas em startups é a ausência de interrupções. Diferentes tipos de trabalho têm unidades de tempo diferentes. Alguém revisando um manuscrito provavelmente poderia ser interrompido a cada quinze minutos com pouca perda de produtividade. Mas a unidade de tempo para programadores é muito longa: pode demorar uma hora para fixar um problema em sua cabeça. Portanto, o custo de ter alguém do RH ligando para você sobre um formulário que você esqueceu de preencher pode ser enorme.

É por isso que os programadores lhe dão um olhar desagradável quando saem da tela para responder à sua pergunta. Dentro de suas cabeças, um gigantesco castelo de cartas está cambaleando.

A mera possibilidade de ser interrompido impede que programadores iniciem projetos difíceis. É por isso que eles tendem a trabalhar tarde da noite e é quase impossível criar um ótimo software em um cubículo (exceto tarde da noite).

Uma grande vantagem das startups é que elas ainda não têm nenhuma pessoa que o interrompe. Não há departamento de RH e, portanto, não há formulário nem ninguém para ligar para você.

[2] Diante da ideia de que as pessoas que trabalham para startups podem ser 20 ou 30 vezes mais produtivas do que as que trabalham para grandes empresas, os executivos de grandes empresas naturalmente se perguntam: como eu poderia fazer as pessoas trabalharem para mim desse mesmo modo? A resposta é simples: pague-os.

Internamente, a maioria das empresas é administrada como estados comunistas. Se você acredita em mercados livres, por que não transformar sua empresa em um?

Hipótese: Uma empresa será rentável ao máximo quando cada funcionário for pago proporcionalmente à riqueza que gera.

[3] Até recentemente, até os governos às vezes não entendiam a distinção entre dinheiro e riqueza. Adam Smith (Riqueza das Nações) menciona vários que tentaram preservar sua “riqueza” proibindo a exportação de ouro ou prata. Mas ter mais do meio de troca não tornaria um país mais rico; se você tiver mais dinheiro buscando a mesma quantidade de riqueza material, o único resultado será preços mais altos.

[4] Existem muitos sentidos da palavra “riqueza”, nem todos materiais. Não estou tentando fazer um ponto filosófico profundo aqui sobre qual é o tipo verdadeiro. Estou escrevendo sobre um sentido específico e bastante técnico da palavra “riqueza”. Em troca do que as pessoas vão lhe dar dinheiro. Este é um tipo interessante de riqueza para estudar, porque é do tipo que impede você de passar fome. E o que as pessoas querem em troca de dinheiro depende delas, não de você.

Quando você está começando um negócio, é fácil pensar que os clientes querem o que você faz. Durante a bolha da Internet, conversei com uma mulher que, por gostar do ar livre, estava iniciando um “portal ao ar livre”. Você sabe que tipo de negócio deve começar se gosta de atividades ao ar livre? Um para recuperar dados de HDs com erro.

Qual é a conexão? Nenhuma mesmo. Este é precisamente o meu ponto. Se você deseja criar riqueza (no sentido técnico restrito de não passar fome), deve ser especialmente cético em relação a qualquer plano centrado nas coisas que você gosta de fazer. É aí que é menos provável que sua ideia do que é valioso coincida com a de outras pessoas.

[5] Na restauração de um carro, você provavelmente torna todos os outros microscopicamente mais pobres, causando uma pequena quantidade de dano ao meio ambiente. Embora os custos ambientais devam ser levados em consideração, eles não fazem da riqueza um jogo de soma zero. Por exemplo, se você reparar uma máquina que está quebrada porque uma peça foi desaparafusada, você cria riqueza sem custo ambiental.

[5b] Este ensaio foi escrito antes do Firefox.

[6] Muitas pessoas se sentem confusas e deprimidas aos vinte e poucos anos. A vida parecia muito mais divertida na faculdade. Bem, claro que era. Não se deixe enganar pelas semelhanças da superfície. Você foi de hóspede a criado. É possível se divertir neste novo mundo. Entre outras coisas, agora você passa por trás das portas que dizem “apenas pessoal autorizado”. Mas a mudança é um choque a princípio, e ainda pior se você não estiver consciente disso.

[7] Quando os VCs nos perguntavam quanto tempo levaria outra startup para duplicar nosso software, respondíamos que eles provavelmente não seriam capazes de fazê-lo. Eu acho que isso nos fez parecer ingênuos, ou mentirosos.

[8] Poucas tecnologias têm um inventor claro. Então, como regra, se você conhece o “inventor” de algo (o telefone, a linha de montagem, o avião, a lâmpada, o transistor) é porque a empresa deles ganhou dinheiro com isso, e o pessoal de relações públicas da empresa trabalhou duro para espalhar essa história. Se você não sabe quem inventou algo (o automóvel, a televisão, o computador, o motor a jato, o laser), é porque outras empresas ganharam todo o dinheiro.

[9] Este é um bom plano para a vida em geral. Se você tiver duas opções, escolha a mais difícil. Se você está tentando decidir se sai correndo ou fica em casa assistindo à TV, vá correr. Provavelmente, a razão pela qual esse truque funciona tão bem é que, quando você tem duas opções e uma é mais difícil, a única razão pela qual você está considerando a outra é a preguiça. Você sabe no fundo da sua mente qual é a coisa certa a fazer, e esse truque apenas o força a reconhecê-lo.

[10] Provavelmente não é por acaso que a classe média apareceu pela primeira vez no norte da Itália e nos países baixos, onde não havia governos centrais fortes. Essas duas regiões eram as mais ricas de seu tempo e se tornaram os centros gêmeos dos quais a civilização renascentista irradiava. Se eles não desempenham mais esse papel, é porque outros lugares, como os Estados Unidos, foram mais fiéis aos princípios que descobriram.

[11] Pode de fato ser uma condição suficiente. Mas se sim, por que a Revolução Industrial não aconteceu mais cedo? Duas respostas possíveis (e não incompatíveis): (a) Sim. A Revolução Industrial foi uma de uma série. (b) Porque nas cidades medievais, os monopólios e os regulamentos das guildas inicialmente retardavam o desenvolvimento de novos meios de produção.

Share:

Subscribe to my Email Newsletter

My best tips and learnings about startups and entrepreneurship (once a month)


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *